Montanhas Subtraídas, 2020-21

Montanhas Subtraídas

Recorte

Vinil e impressão em vinil adesivo sobre parede

400 cm x 300 cm

Montanhas Subtraídas é uma obra visual, um diagrama da mineração no estado de Minas Gerais. Não há figuras humanas, o embate é com a paisagem e sua transfiguração no espaço. No topo da composição triangular, na cabeça, a ferida aberta da extração mineral. E a extração da palavra MONTANHA – retirada do poema Curral Del Rei, de Ronald Claver – recortada e subtraída da imagem da cava, retirada da internet.

Na base, ao centro, o desenho topográfico da Serra do Curral, nosso cartão postal de fachada, em tons ocres, verdes e azuis. Ao centro, no coração da imagem, a cachoeira do Tabuleiro, símbolo das águas doces de Minas Gerais, nosso precioso mineral líquido, que escoa seguindo a trilha do minério de ferro extraído. Nas extremidades deste triângulo, a representação dos mares de morros e das marcas das montanhas que escorrem em direção ao chão, pra fora do muro – pra fora daqui.

Em diálogo com o curador Marconi Drummond pude insistir e continuar o trabalho para resolver os elos deste sistema. O que deveria figurar ao centro do diagrama, senão as águas que conduzem a extração mineral pelo maior minerioduto do mundo?

Montanhas Subtraídas” é uma obra comissionada pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, por meio do Instituto Periférico e fez parte da exposição GRAFICOGRAFIA, sob a curadoria de Marconi Drummond e Carlos A. Teixeira. Foi inaugurada em dezembro de 2020 e o processo de finalização da obra se estendeu até junho de 2021, no muro dos jardins do Museu Histórico Abílio Barreto, em Belo Horizonte.

Os estudos para composição da obra foram realizados em desenho, recorte e escrita. A paleta de cores foi definida a partir de imagens da mineração em Minas Gerais, pesquisadas em fontes diversas, na internet.

Estudo para Montanhas Subtraídas – CAVA DE MINERAÇÃO

2020

Recorte

Vinil adesivo e impressão sobre vinil adesivo

O Museu Histórico Abílio Barreto, em Belo Horizonte, é um marco referencial para a história da cidade de Belo Horizonte, e agrega em seu acervo inúmeros artefatos, documentos, mobiliário, peças de transporte urbano sobre a fundação da capital mineira. Neste sentido, a obra Montanhas Subtraídas encontra o contexto preciso para inserir, pela dimensão crítica /visual apontamentos sobre exploração mineral no estado de Minas Gerais, na história da cidade.

Estudo para Montanhas Subtraídas, topografia da Serra do Curral

2020

Recorte

Vinil adesivo

Montanhas Subtraídas, 2020 – 21 fez parte da exposição GráficoGrafia, exposta no MHAB, em Belo Horizonte,MG.

Curadores : Marconi Drummond e Carlos A.Teixeira

Obra Comissionada pela Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte, e Instituto Periférico.

Curral Del Rei,

Ronald Claver ( 1ª estrofe)

I

Era uma vez uma montanha que rodeava

 [a cidade

A montanha era uma vez que rodeava a

     [cidade

A montanha que rodeava a cidade era

 [cada vez mais

uma vez

Uma vez a montanha que rodeava a

 [cidade já era

[…]

[CLAVER, Ronald.Todo dia é dia de poesia, 2009]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s